Toyota anuncia 3º turno na planta de Sorocaba

A fábrica de Sorocaba (SP) da Toyota do Brasil passará a operar em três turnos a partir de janeiro de 2022. A medida tem como objetivo, segundo a empresa, aumentar a produção dos modelos Yaris, Etios (somente para exportação) e Corolla Cross atendendo à crescente demanda por esses produtos no Brasil e na América Latina.

A medida elevará em 25% o volume de produção da planta de Sorocaba, de 122 mil unidades para 152 mil, o que também contribuirá para atender a maior oferta de produtos da empresa no Brasil e na América Latina, principalmente impulsionada pelo excelente desempenho do Corolla Cross, o primeiro SUV da marca produzido no País e comercializado em 22 países da região.

A criação do novo turno abrirá 850 postos de trabalho. O processo de contratação para preencher das vagas terá início ainda este mês. Serão cerca de 450 novas vagas para a unidade de Sorocaba e cerca de 50 outros postos de trabalho distribuídos nas outras unidades da Toyota no País. 

Além disso, a iniciativa também impactará a cadeia de fornecedores da Toyota, que prevê contratação de 350 novos colaboradores para atender ao aumento de volume.

“Trabalhamos duro para criar esse momento importante da história da Toyota no Brasil. Ele está sendo possível graças à excelente integração que fizemos com todos os públicos envolvidos nessa iniciativa - colaboradores, sindicato, fornecedores, concessionários e governo. Além disso, tenho certeza de que esses 850 empregos diretos e indiretos que serão gerados impactarão positivamente a sociedade brasileira nesse período tão delicado que todos vivemos”, afirmou Rafael Chang, presidente da Toyota do Brasil.

Pioneirismo e tecnologia

Com essa iniciativa, de acordo com a montadora, a unidade de Sorocaba se consolidará como a maior produtora de veículos eletrificados da América Latina, em mais um passo da empresa na busca pela massificação de tecnologias mais limpas e consequente avanço no compromisso de neutralidade de carbono na região.

Depois de ter sido a primeira a oferecer um veículo híbrido no mercado brasileiro, o Prius, em 2013, e de ter lançado o primeiro híbrido flex do mundo em 2019, o Corolla sedã, produzido em Indaiatuba, “a Toyota sedimentou esse caminho com a chegada do Corolla Cross híbrido flex em março deste ano, modelo produzido em Sorocaba e o responsável por ampliar as fronteiras da empresa para mais países da região”.

Ciclo de investimentos em Sorocaba - Com nove anos de existência, fruto de um investimento de US$ 600 milhões, a fábrica de Sorocaba foi a terceira unidade produtiva da Toyota no País, além de ser um marco nas operações do Brasil, pois reúne atributos das plantas mais modernas da fabricante em todo o mundo.

A unidade já passou por dois ciclos de investimentos. O primeiro, em janeiro de 2015, de R$ 1 bilhão, foi responsável por aumentar a capacidade produtiva dos originais 74 mil veículos para 108 mil unidades anuais. 

Em 2019, a planta recebeu mais R$ 1 bilhão para modernização de suas instalações para a produção do Corolla Cross, o primeiro SUV da marca a ter produção nacional, além de ser o segundo veículo híbrido flex do mundo.

“Essa é mais uma prova de que a Toyota acredita no mercado brasileiro e de que, mesmo com todas as adversidades, seguimos buscando soluções que precisam ser conjuntas em prol do desenvolvimento da sociedade brasileira”, disse Chang.

Indiretamente, a planta de Sorocaba induziu novos investimentos no Brasil, seja da própria marca ou de parceiros. O parque de fornecedores localizado ao lado do terreno da unidade abriga 11 empresas. 

A Toyota, como resultado da boa performance de Sorocaba, decidiu construir sua planta de motores em Porto Feliz (SP), com investimento de R$ 580 milhões. Essa planta produz os motores 1.3 e 1.5 litro, VVT-i, que equipam o Etios e o Yaris, além do propulsor 2.0L Dynamic Force que equipa o Corolla sedã e o Corolla Cross.

Fonte: Usinagem-Brasil




O melhor conteúdo do setor metal-mecânico no seu e-mail

Cadastre-se em nossa lista VIP para receber conteúdo, notícias e muito mais sobre o setor metal-mecânico.

Compartilhe