Senai entrega laboratório de manufatura avançada em Joinville (SC)

A Federação das Indústrias entregou na sexta-feira (6), em Joinville, um laboratório de manufatura avançada que beneficiará estudantes do SENAI na região. 

O espaço recebeu R$ 3,5 milhões de investimentos e oferece uma série de equipamentos para o ensino profissionalizante nas áreas mecânica, eletromecânica, mecatrônica, automação, fabricação mecânica, metalurgia e fundição. 

“O SENAI está cada vez mais próximo da tecnologia que os estudantes encontrarão nas indústrias após a formação, aumentando assim a produtividade, resolutividade e, principalmente, a sua capacidade de inovar. Aliás, a inovação é um dos pilares da nossa gestão. 

A indústria catarinense compete em nível global, por isso, precisamos inovar constantemente para seguir contribuindo com o crescimento do nosso estado”, destaca o presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, que participou da entrega acompanhado do vice-presidente regional da FIESC, Evair Oenning, do diretor de educação e tecnologia da FIESC, Fabrizio Machado Pereira, do diretor de operações da Divisão Automotiva da Schulz S.A , Bruno Salmeron, e do gerente-executivo do SESI e do SENAI na região, Marco Goetten. 

Viabilizado em parceria com a indústria Schulz, o laboratório segue o conceito de ‘internet das coisas’, com máquinas sendo monitoradas a distância. Tem ênfase na criação de peças e componentes que atendam a indústria catarinense. 

Para isso, oferece aos estudantes máquinas de manufatura aditiva (protótipos em 3D), usinagem, metrologia, sistemas de CAD e CAM (softwares para desenhar os programas de usinagem). “Importante avanço tecnológico para a nossa cidade e nosso estado. Em parceria com o Senai conseguimos trazer o que tem de melhor em tecnologia de usinagem visando capacitação humana e competitividade do nosso país”, comenta Bruno Salmeron, da Schulz S.A.

A máquina alemã da Heller  é um dos principais equipamentos do espaço. Ela garante a fabricação exata de componentes produzidos em série, chegando a atingir a precisão na ordem de um milésimo de milímetro. “Temos aqui, um centro de usinagem com tecnologia alemã da Heller, equipamentos de manufatura aditiva de origem americana, bem como infraestrutura japonesa de metrologia para o controle da qualidade de todos os itens fabricados. 

Todo esse arcabouço tecnológico, proveniente dos mais diversos continentes, estão integrados e conectados no SENAI, tornando a indústria 4.0 acessível e relevante aos que buscam conhecimento nas nossas escolas”, frisa o diretor de educação e tecnologia da FIESC, citando que a expectativa é atender anualmente entre 900 e mil estudantes.


 Fonte CIMM 

Receba conteúdos exclusivos da Revista Ferramental em seu e-mail

Cadastre-se em nossa lista VIP para receber contéudo, notícias e
muito mais sobre o ramo metal-mecânico.

Compartilhe