Mercedes, Hyundai, GM e VWCO retomam 2º turno

Desde o final do mês passado, todas as montadoras instaladas no País retomaram suas operações, ainda que parcialmente. Agora, em julho, começam a surgir notícias de retorno da produção em dois turnos, casos da Mercedes-Benz, Hyundai, Volkswagem Ônibus e Caminhões e General Motors.

Na quarta-feira passada, 1º de julho, a Mercedes-Benz informou a retomada do segundo turno de produção de caminhões na fábrica de São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo. A volta do primeiro turno aconteceu em 11 de maio.

“Teremos menos pessoas trabalhando por turno”, disse o vice-presidente de RH para a América Latina, Fernando Garcia. “Também ajustamos temporariamente nosso volume de produção para atender pedidos específicos de clientes de caminhões”.

De acordo com Garcia, o agronegócio e os segmentos de mineração, produtos químicos, gás, celulose, alimentos, bebidas e itens farmacêuticos têm gerado novos pedidos à empresa. A produção em dois turnos foi uma forma encontrada tanto de garantir o distanciamento adequado entre os trabalhadores como para o cumprimento dos cronogramas.

A Mercedes também adotou um revezamento, com o retorno dos trabalhadores que estavam com os contratos suspensos desde o início de maio, enquanto outra parte da equipe trabalhava na fábrica.Os que vinham trabalhando de maio até 30 de junho entraram agora em lay-off.

Medida semelhante foi adotada pela Hyundai Motors em sua fábrica de Piracicaba (SP). A empresa anunciou a retomada dos turnos de trabalho que no dia 26 de junho. A fábrica, que antes da pandemia operava em três turnos, retornou às atividades em 13 de maio com um turno de produção.

Agora, passou a operar com os funcionários dos 2º e 3º turnos, enquanto os do 1º turno iniciam novo turno de lay-off até 25 de julho. A fábrica vai adaptar o volume de produção à demanda de mercado "que ainda se encontra em fase de recuperação”, segundo o comunicado oficial. "O funcionamento parcial da fábrica, agora com apenas os 2º e 3º turnos trabalhando, foi devidamente acordado com o Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Piracicaba (STMP), baseado nas medidas de proteção de emprego do Governo Federal."

Já a Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO) iniciou no úlçtimo dia 29 o segundo turno de trabalho na fábrica de Resende (RJ). Um dos motivos informados pela montadora foi o aumento da produção diária de 85 para 110/120 unidades. Cerca de metade dos quase mil funcionários que estavam com contratos suspensosretornaram ao trabalho - outros mil trabalhadores já tinham retornado à fábrica no fim de abril.

Na GM de Gravataí (RS), o primeiro turno voltou no dia 5, com 75% da mão de obra. O segundo turno, na última segunda-feira (22), também parcialmente. A fábrica gaúcha tem 3 mil funcionários diretos, além de outros 3 mil contratados das 14 empresas sistemistas que trabalham dentro da próprio GM. Antes da crise sanitária, a perspectiva era boa, conta Valcir, com produção em alta. “A questão é na ponta, precisa ter comprador.”

Em Camaçari (BA), depois do retorno 3 mil funcionários do Complexo Ford em 18 de junho, após mais de dois meses de paralisação, a montadora prepara a volta dos trabalhadores dos segundo e terceiro turnos neste mês de julho. Os três turnos juntos talvez só em agosto, de acordo com Júlio Bonfim, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari.

Fonte Usinagem Brasil 

Tags
MercedesHyundaiGM Volkswagem automotivo montadoras retorno
Compartilhe

Revista Ferramental

Fique por dentro das noticias e novidades tecnológicas do mundo da ferramentaria.