Indústria de SP tem forte crescimento no 3º trimestre

 A indústria paulista encerrou o terceiro trimestre com alta de 33,3% nas vendas reais diante do trimestre anterior, de acordo com o último Levantamento de Conjuntura elaborado pela Fiesp e Ciesp. De agosto para setembro, as vendas reais avançaram 8,1%.

Este não foi o único resultado positivo. As horas trabalhadas na produção registraram alta de 22,4% no terceiro trimestre com relação ao segundo, tendo crescido 2,1% entre agosto e setembro. O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) registrou alta de 9 p.p. entre os dois trimestres, tendo atingido 76,8% em setembro, 0,2 p.p. a mais que agosto.

Já os salários reais médios mantiveram a tendência de recuperação iniciada em junho e cresceram 10,8% na comparação entre os dois trimestres e 0,2% em setembro frente a agosto.

O que mais chama a atenção é que as vendas reais em setembro ficaram 14,4% acima do nível pré-pandemia (fevereiro), ilustrando o forte dinamismo das vendas da indústria após o período mais agudo da crise.

O NUCI supera em 1,1 p.p o nível pré-pandemia, porém o indicador ainda está 2,6 p.p abaixo da média histórica (79,4%), refletindo um quadro de elevada ociosidade da indústria paulista.

Os salários reais em setembro também superaram o nível pré-pandemia em 0,2%, e as horas trabalhadas estão apenas 0,7% abaixo de fevereiro.

4º trimestre - A entidade destacou ainda que a trajetória de recuperação da indústria paulista se manteve no início do quarto trimestre. Em outubro, a pesquisa Sensor, que avalia o mês corrente, fechou em 52,1 pontos, resultado superior ao de setembro, quando marcou 50,7 pontos. Pelo segundo mês consecutivo o indicador registra resultado positivo (acima dos 50 pontos) e sinaliza melhora da atividade.

As vendas da indústria apresentaram virtual estabilidade. O indicador variou apenas 0,3 pontos, de 52,5 pontos em setembro para 52,8 em outubro. O indicador de estoque da indústria também melhorou em relação a setembro.

O índice de nível de emprego avançou 3,1 pontos em outubro, passando para 48,8. Abaixo dos 50 pontos quer dizer expectativa de demissões para o mês, porém o ritmo é menor diante de setembro. A intenção de investimentos cresceu, mas está ainda abaixo dos 50 pontos, indicando redução no período.

Fonte Usinagem Brasil 

Receba conteúdos exclusivos da Revista Ferramental em seu e-mail

Cadastre-se em nossa lista VIP para receber contéudo, notícias e
muito mais sobre o ramo metal-mecânico.

Compartilhe