Impressora a jato de água imprime mensagens secretas

A mensagem também pode ser apagada e o papel pode ser reutilizado por pelo menos 30 vezes.

Tinta invisível

Pesquisadores chineses desenvolveram um revestimento de papel regravável capaz de criptografar informações secretas usando uma "tinta invisível" que não poderia ser mais simples - água.

Uma mensagem impressa por uma impressora a jato de água em um papel revestido com o complexo de manganês fica invisível a olho nu, mas a mensagem se revela quando é iluminada com luz ultravioleta com comprimento de onda de 254 nanômetros.

A mensagem também pode ser apagada e o papel preparado para outra rodada de impressão mediante um aquecimento com um secador por 15 a 30 segundos. O papel pode ser reutilizado por pelo menos 30 vezes.

"Desenvolvemos um método de impressão de segurança regravável, utilizando as respostas da fotoluminescência de um complexo de manganês à água. Nós costumávamos regular as propriedades de fotoluminescência de materiais orgânicos através da modificação da estrutura molecular," conta o professor Qiang Zhao, da Universidade de Correios e Telecomunicações de Nanjing. "Mas, recentemente, descobrimos que eles só precisam de um estímulo externo para alterar suas propriedades ópticas ou elétricas."


A maioria das tintas fluorescentes de segurança disponíveis no mercado, usadas para registrar informações confidenciais, são feitas de materiais perigosos e não podem ser apagadas. E, além de o manganês e a água serem ambientalmente amigáveis, a equipe calcula que uma folha impressa custará apenas dois décimos de centavo de dólar (US$0,002).

Mas os pesquisadores estão procurando melhorar ainda mais o processo porque a luz UV de comprimento de onda curto pode ser prejudicial ao ser humano. Por isso a equipe está se concentrando no desenvolvimento de complexos de manganês sensíveis à umidade que possam ser excitados por luz infravermelha próxima.

"Nosso trabalho é fornecer um método prático de impressão. Portanto, precisamos garantir que ele não seja tóxico ou que tenha poucos danos ao corpo humano," disse Zhao. "É por isso que usamos complexos de manganês, que são ecologicamente corretos e com baixa toxicidade".

Fonte Inovação Tecnologia 

Compartilhe