Grande ABC reinvindica centro de P&D de ferramentaria

As prefeituras das sete cidades que compõem o Grande ABC pretendem reinvindicar junto ao Governo Federal a instalação de um Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Ferramentaria na região como parte do Rota 2030, que oferece benefícios às montadoras que investirem em tecnologia. 

O programa também prevê a instalação de um centro nacional de pesquisa e desenvolvimento de ferramentaria, com objetivo de “Elevar ao nível internacional a competitividade da cadeia de ferramentaria nacional para peças automotivas de grande porte e peças automotivas de superfície classe A”.

O assunto foi debatido durante reunião do Consórcio Intermunicipal Grande ABC, na semana passada, que contou com a participação de empresários do setor, sindicatos, universidades e escolas técnicas da região. Uma comissão foi incumbida de redigir um documento que será entregue ao ministro da Economia, Paulo Guedes, em reunião a ser agendada por meio do escritório regional do Consórcio ABC em Brasília, à qual devem comparecer os sete prefeitos da região.

Os prefeitos do ABC têm pressa. De um lado, outras regiões do Estado, como Vale do Paraíba (São José dos Campos), já demonstraram interesse em abrigar o centro. De outro, conforme comentado na reunião, o Ministério da Economia deve ater o martelo até o final deste mês sobre a sua instalação e localização.

“No país não há polo concentrado como o nosso. Nenhuma empresa de outra região investiu tanto quanto as montadoras do ABC, que estão se modernizando e, ao fazer isso, nos trazem a garantia de longevidade das plantas na região”, disse o prefeito de São Bernardo, Orlando Morando.

O prefeito, aliás, ofereceu uma área na cidade para abrigar o centro de ferramentaria. Anteriormente, a prefeitura de Santo André já havia feito movimento semelhante, disponibilizando área de 30 mil m², parte do futuro parque tecnológico que será construído no muncípio.

“Nossa região tem que exigir que os investimentos venham para cá. Temos áreas disponíveis e infraestrutura, além de um potencial riquíssimo. Nos colocamos à disposição do Governo Federal”, disse Evandro Banzato, secretário de Desenvolvimento e Geração de Empregos de Santo André.

“Nós respeitamos muito São José dos Campos, mas a lógica, até pela quantidade de empresas (São José dos Campos conta com uma montadora, a GM, enquanto o ABC conta com seis, VW, Ford, Toyota, GM, Scania, Mercedes-Benz) seria que o centro viesse para cá”, afirmou o secretário-executivo do Consórcio, Edgard Brandão.


Fonte Usinagem Brasil 

Compartilhe