Como o Coronavírus Vai Impactar Os Negócios E O Que Você Pode Fazer Como Líder?

Hoje, quero falar com você sobre Coronavírus. Sim, isso mesmo. Quero falar sobre o Coronavírus. O vírus que causou uma pandemia. 

Antes de viajar para Buenos Aires, na semana passada, eu li um artigo desta líder europeia. 


Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Angela Merkel disse, mais ou menos, o seguinte: 

"Caros alemães, a coisa é grave. O que nós temos hoje é grave. Esse vírus é diferente e estamos aprendendo a lidar com ele. O que vai acontecer é que ele vai estar presente, sim, e impactar a vida de 70% da população da Alemanha". 

Isso quer dizer que 7 em cada 10 pessoas vão ser infectadas pelo vírus. 


Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Você vê uma notícia dessa e já começa a ficar apavorado. 

Mas ela disse: 

“Temos os melhores especialistas no mundo. Estamos pesquisando sobre isso. Tem um processo para controlar isso. Mas vai ficar tudo bem. Vai dar tudo certo. É um teste que teremos que passar, mas é muito importante você manter a calma, a postura e continuar mantendo a vida. Porque, caso contrário, o impacto vai ser muito maior. Não existe motivo para correr para os mercados, farmácias e fazer um grande alarde, porque vai dar tudo certo. 

Pessoas, sim, vão morrer, vão sofrer, mas vai passar. Tem um pico e, depois, passa”. 

Eu achei esse pronunciamento muito bom. O tom do discurso que a Angela Merkel utilizou eu me identifico muito. Esse é o tom realista, baseado em números, mas ainda otimista. 

Você percebe? 

Eu vejo a coisa como ela realmente é, não fico passando panos quentes em cima. Digo como ela é. Esse é o papel do líder: trazer clareza para as pessoas. 

Mas, ao mesmo tempo, eu ainda sou otimista. E relembro as pessoas que vai dar certo. Relembro as pessoas que difícil, mas vai dar certo. A gente já passou por isso no passado e vai passar por isso de novo, agora. 

E, realmente, já aconteceu no passado. 

Teve a H1N1.

Teve o Sars.

Teve a gripe aviária.

Desde os anos 1980, temos epidemias parecidas. E você vai ouvir: “Dessa vez, é diferente”. 

Na minha vida inteira, eu escuto isso: “Dessa vez, é diferente”. 

Na minha vida inteiro, eu escuto empresários falarem: 

Meu mercado é diferente.

Minha empresa é diferente.

Todo mundo acha que, dessa vez, é diferente. E, tudo bem.

Existem, sim, coisas semelhantes e coisas únicas nesse vírus. Mas a gente vai sobreviver como a gente sempre sobreviveu. 

Sabe o que me dá mais medo que o vírus? 

O impacto que o medo do vírus causa. 

São coisas diferentes. 

O vírus é um agente biológico que entra no sistema das pessoas e elas têm sintomas e problema no corpo. O pulmão é atingido e abre portas para outras doenças. Mas, hoje, no planeta, há um pouco mais de 6 mil mortes por coronavírus. E tem bilhões de pessoas mobilizadas por causa disso. 

Agora, nas próximas semanas, no Brasil, vai ficar pior antes de ficar melhor. Muita gente vai falar, reclamar e dizer um monte de coisas sobre isso.

Vai ter corre-corre. As pessoas vão para o mercado comprar coisas e estocar por medo de acabar. Vão para as farmácias comprar remédios. O sistema de saúde vai ficar sobrecarregado. 

Isso vai acontecer. Aliás, já começou a acontecer. 

Assim como Angela Merkel fez, convoco você para se posicionar como líder na sua família, na sua comunidade e para os seus funcionários. E poder explicar para eles o que está acontecendo.

Sim, vai acontecer. Não tem que ficar surpreso se surgirem casos de pessoas doentes na sua cidade. 

Mas a gente tem que ser otimista. Vai passar. Precisamos continuar vivendo, fazendo nossa parte e tomando as medidas possíveis. 

Quais são as medidas possíveis? 

Higienizar as mãos

Evitar beijos e abraços

Sem tossir ou espirrar próximo a pessoas

Tentar cuidar ou evitar estágio de contágio

A dica não é se contagiar. Porque, provavelmente, todos nós, ou vamos ser contagiados e não vamos nem ter os sintomas, ou vamos de fato ficar doentes. O cuidado que devemos ter redobrado é com quem está na zona de risco: os idosos. 

Minha mãe está na zona de risco e eu me preocupo muito com isso. 

Para a maioria das pessoas vai passar batido. Tem que continuar vivendo porque a humanidade sempre anda para a frente e é importante levar essa mensagem. 

O medo do vírus e o impacto econômico que isso vai gerar é maior do que o vírus em si.

Vou continuar abordando esse assunto nos próximos dias. E a dica de hoje é: 

A pior coisa que você tem a fazer, hoje, é colocar a sua vida em um pause. 

Você fica com medo de sair de casa e tomar qualquer decisão. E isso vai acontecer e ser acentuado se você tiver um erro estratégico: 

Consumir a indústria do medo.


Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

A indústria do medo é voltada a produzir conteúdo que não acaba mais. São 24 horas de especialistas na televisão, no rádio, na internet, em tudo que é canal, gerando conteúdos, falando, falando, falando… 

E a gente mantém um estado mental de sobrevivência por causa do nosso cérebro reptiliano. É o mesmo cérebro que quase nos obrigada a olhar para o lado quando passa próximo a um acidente na estrada. Por quê? Porque esse é o nosso cérebro reptiliano que ativa o nosso senso de sobrevivência. 

Ele quer focar sua atenção para ver se você aprende com aquilo. Para evitar que aconteça o mesmo com você. 

Tem algumas coisas que a gente pode fazer nesse caso, mas a grande maioria está fora da nossa zona de atuação. 

Mas eu quero que você, como líder Fator X, como empresário com uma mentalidade de diferenciação, tenha uma postura diferente e seja exemplo para as pessoas.

Inspire as pessoas. Leve paz, segurança. Porque, aí, você tem uma visão de longo prazo. Não uma visão que só vê 3, 5, 15 ou 20 dias na frente, como todo mundo tem. 

A maioria das pessoas vive o dia a dia e não têm essa visão estratégica e a longo prazo. 

Espero que nós, juntos, possamos levar essa visão realista, mas otimista para as nossas equipes, nossa família e comunidade. Porque vai passar. Então, a gente precisa ir vivendo a vida e ajustando o barco conforme essas ondas estão chegando. 

Sobre Pedro Superti: Fundador do movimento de marketing de diferenciação. Há quase 20 anos é especialista em ajudar boas empresas a virarem grandes marcas. Criador do Fator X, com mais de 10 mil alunos e R$900 milhões em acréscimo de vendas gerados por marcas que decidem ser diferentes. Saiba mais AQUI.

 

Tags
Coronavírusvírus pandemia Brasil
Compartilhe

Revista Ferramental

Fique por dentro das noticias e novidades tecnológicas do mundo da ferramentaria.