Sistemas flexíveis de manufatura: Conheça os benefícios

Os sistemas flexíveis de manufatura se caracterizam por uma forma de produção com altos níveis de automatização, capazes de se adaptarem e agirem de acordo com mudanças e alterações nos processos dentro da indústria.

Também conhecidos como flexible manufacturing system, ajudam a produzir uma diversidade significativa de produtos e itens a partir de um sistema de software, trazendo alguns benefícios interessantes para as organizações. Para entender melhor como funcionam e suas vantagens, continue com a leitura deste artigo!

Surgimento dos sistemas flexíveis de manufatura

Os sistemas flexíveis de produção remontam à década de 1960, na Grã-Bretanha, onde foram desenvolvidos e, posteriormente, aplicados em indústrias dos Estados Unidos, em 1967.

A fabricação era executada por sistemas que utilizavam equipamentos para o controle numérico das peças semelhantes produzidas, moldando sua forma de trabalho para otimizar a linha de operação.

Subdivisões dos SFM

É possível dizer que a manufatura flexível se divide em subsistemas, que são três:

1. Armazenamento e processamento de materiais: responsável por registrar todos os insumos e matérias-primas utilizadas na indústria;

2. Processamento: responsável por agrupar máquinas e equipamentos a partir de comandos numéricos, de preferência automatizados,

3. Controle computadorizado: responsável por realizar o controle operacional do conjunto fabril, ou seja, organizar a linha de produção e o chão de fábrica como um todo.

Implementação dos sistemas flexíveis de manufatura

Um sistema de produção automatizado, como são os flexíveis, deve ser implementado na indústria de forma inteligente e com muita atenção. O processo como um todo pode ser um desafio, mas que traz vantagens para a organização. 

Os benefícios são observados na capacidade de produção de itens diversificados a partir de um único equipamento e um único software como centralizador de informações.

Dessa forma, há uma exigência menor de operadores de máquina, o que traz uma significativa redução de custos com mão de obra, treinamento e especialização, liberando colaboradores para outras áreas e atividades que dependem de maior poder de raciocínio e estratégia.

Na prática, a aplicação ativa dos sistemas flexíveis de manufatura e sua produção automatizada pedem por um planejamento detalhado, que conte com projetos e cronogramas bem definidos.

É importante ressaltar que, por se tratar de uma tecnologia diferenciada, contar com colaboradores capacitados e com habilidades renovadas continuamente é fundamental. 

Assim, o projeto se mantém firme em sua execução a longo prazo, evitando prejudicar o ritmo de produção e o lucro da empresa.

Benefícios dos sistemas flexíveis de manufatura

O principal benefício dos sistemas flexíveis de manufatura está na capacidade de tornar toda a operação industrial mais eficiente. Mesmo com modificações e ajustes nos processos, a implementação dos SFM adapta equipamentos e mantém o ritmo e fluxo de produção, evitando atrasos em entregas, por exemplo.

Com prazos de produção mais ágeis, é possível cumprir mais demandas e atender a um maior número de clientes sem deixar de lado a qualidade e os níveis de satisfação.

O conceito de Sistema de Manufatura Flexível originou-se na Grã-Bretanha, em 1960, e foi aplicado pela primeira vez sete anos mais tarde, nos Estados Unidos. 

Os primeiros sistemas executavam a manufatura de famílias de peças, utilizando máquinas-ferramentas de controle numérico.

Em operações fabris onde as máquinas são configuradas de forma manual, cada item é produzido isoladamente, o que contém restrições e pode atrasar os resultados finais. 

Ao serem controlados por um sistema flexível e automatizado, a programação de um equipamento pode ser reproduzida, controlada e monitorada por uma tecnologia confiável.

Fonte TOTVS

Tags
manufaturatecnologia sistemas flexíveischão de fábrica
Compartilhe

Revista Ferramental

Fique por dentro das noticias e novidades tecnológicas do mundo da ferramentaria.