Resiliência - aliviar tensões e fazer o stress trabalhar a seu favor!

Resiliência vem do latim resilio, que significa “voltar ao estado natural”. Modernamente empregado, o termo deriva do inglês “resilience”.

É comumente aplicado na engenharia e significa: propriedade pela qual a energia armazenada em um corpo deformado é devolvida quando cessa a tensão causadora da deformação elástica (poder de recomposição).

Emprestado, portanto, da engenharia para a psicologia, o termo serve como termômetro e ferramenta de equilíbrio constante, além de nos ensinar que perder também faz parte de nossa evolução.

Vejamos a seguir alguns dos inúmeros benefícios da resiliência:

• Resiliência gera flexibilidade;

• Resiliência desenvolve maturidade;

• Resiliência sela o desempenho aceitável;

• Resiliência oferece grandes oportunidades;

• Resiliência leva à inovação;

• Resiliência traz benefícios inesperados;

• Resiliência traz automotivação, equilíbrio e prosperidade plena.

A resiliência traz triunfo e glória. Leia o texto a seguir e aprenda como beneficiar-se e usá-la nas suas mais diversas faces.Use a resiliência, e sentirá o seu poder da recomposição crescer diariamente, pois a riqueza do ser humano se mede pelas coisas que ele é capaz de deixar para buscar seus propósitos e continuar evoluindo.

O primeiro fator constante em uma pessoa próspera é o propósito.

Uma pessoa precisa saber que, seja lá o que faça, ela está se movimentando adiante, evoluindo em direção a um fantástico objetivo.

Fazendo as coisas certas, seu sucesso será absoluto e constante.

Para ser verdadeiro, precisa ter um sonho constante como propósito.

De outra forma, embora se possa vegetar com sucesso, não se pode viver sem ele e a autodestruição é inevitável.

Conheço várias pessoas que se “venderam” passando por seus valores e princípios para “crescer”. Chego à conclusão de que elas receberam mais do que valiam e, consequentemente, se autodestruíram ou ficaram com grandes sequelas pessoais e profissionais eternas.

Suas principais alegações são o mercado e a pressão. Esperamos que este não seja o seu caso.

Temos certeza de que todos nós nascemos para brilhar, como diamantes brutos... E a forma que lapidaremos nossas vidas definirá quantos quilates valeremos com nosso brilho próprio e a luz de sucesso que refletimos, primeiramente, para nós mesmos, alimentando a nossa autoestima e, depois, aos outros, transparecendo prosperidade constante e conjunta. Receba a pressão da vida com agradecimento, pois os diamantes mais puros e raros um dia foram uma pedra de carvão vivendo sob pressão.

Enfim, a vida poderá nos lapidar sempre, depende de nós investirmos para que isso aconteça. Se você não quiser investir muito, talvez as derrotas não o machuquem. E se tiver vitórias, talvez não chegue a ser excitante. A vida é uma imensa joalheria, esperamos que seu brilho seja eterno, pois a maior riqueza que temos é a liberdade de escolha e a pressão que escolhermos nos transformará em uma joia única para o Universo.

Resiliência é uma opção... Escolha a pressão que definirá seu valor!

Uma das maiores necessidades da mente humana é o alívio da tensão, o descanso confortador, a recuperação das energias gastas na luta diária. A tensão é o maior fator de desgaste na vida moderna e, em certas profissões, ela se aprofunda mais e mais, principalmente para as pessoas que se dedicam aos negócios de um modo geral, seja na fábrica, no escritório ou na rua.

Nosso sistema nervoso sofre constantemente o peso dessa quantidade de incentivos que não consegue assimilar - trânsito, filas para tudo, estresse, violência, etc. Tudo isso contribui para manter os nervos aguçados, levados e empurrados ao limite máximo, sem que tenham um só instante de tempo para se recompor.

Soma-se a esta insalubridade ainda o desgaste dos nervos produzido pela mania da velocidade, da pressa. Passamos de uma atividade a outra em louca correria, como se a eficiência dependesse da pressa.

As companhias de seguros destacam o fato de que as enfermidades do coração encabeçam a estatística de apólices pagas por morte. A tensão, a preocupação e o dinamismo da vida moderna exigem um coração forte. A grande enfermidade dos dias atuais e, principalmente, dos homens e mulheres de negócios, decorre da hiperatividade do sistema nervoso.

O ser humano só terá mais possibilidades se aumentar a sua eficiência, o que vai conseguir apenas pelo alívio da tensão. Esse é o assunto que trataremos aqui.

O alívio da tensão, o relaxamento, a lassidão ou o relax, segundo um conceito geral, é uma condição mental que deve ser criada sempre que o trabalho diário esteja terminado.

O grande problema, entretanto, consiste no estado mental da pessoa que se encontra em pleno trabalho, no escritório, na oficina ou na fábrica. É necessário que os nervos tensos sejam aliviados também durante a atividade diária e não apenas nas horas de descanso, depois do trabalho.

Outra interpretação pouco comum acerca do descanso, do relax, consiste na estreita relação existente, ou estabelecida entre descanso e ociosidade, com a interrupção total das atividades, como as férias no campo ou na praia.

É como se fosse uma terapia 8 ou 80. Tirar profissionais acelerados ao máximo e fazê-los “observar paisagens” durante 30 dias pode não ser muito assertivo.

Ao reassumir suas tarefas, entregam-se novamente à tensão que, em poucos dias, anula toda a energia positiva e acumulada no período em que passaram fora.

Tal descanso consistiu, apenas, numa simples escapatória temporária dos problemas latentes, que continuam no mesmo pé. O verdadeiro descanso consiste na harmonia plena; não consiste em descansar das obrigações, mas em encontrar descanso nessas mesmas obrigações. O descanso que supomos alcançar com as férias é apenas uma solução adicional. O que precisamos é aprender a produzir períodos de relaxamento neural durante as horas de trabalho.

Assim, aliviamos o cérebro do consumo de energias.

Cada pessoa possui certo ritmo de ação, durante o qual experimentará altos e baixos em suas energias. Uma pessoa pode alcançar o máximo de seu rendimento nas primeiras horas da manhã, no fim da tarde, ou pode ser ainda que a fonte de energia, ascendendo gradativamente, alcance sua marca maior ao anoitecer.

Assim, toda pessoa deve moldar suas atividades ao seu próprio ritmo de ação. Um trabalho pesado feito pela manhã pode cansar demasiadamente uma pessoa, forçando-lhe o sistema nervoso, porém, não perturbará absolutamente uma outra; assim, todas as obrigações do dia deveriam ser avaliadas e distribuídas de acordo com o momento em que se pode tirar maior proveito das energias (individualmente, pois o ser humano é único por essência). Tal comportamento ou programa evita o cansaço, resultado de um desgaste inútil de forças.

Concluo que se deve utilizar o momento propício para efetuar uma tarefa, para melhor descanso ou relaxamento dos nervos.

Logicamente, muitas dificuldades se apresentarão quando pretendermos distribuir as atividades de acordo com o que foi exposto, pois estamos sujeitos às eventualidades do escritório, às políticas da empresa, da oficina, ao horário marcado pelo cliente, etc.

Não obstante, você ganhará terreno preparando-se para cumprir tal programa forçado de trabalho, predispondo sua mente para ele durante as primeiras horas do dia, ou mesmo modificando seu ritmo cotidiano a fim de ajustar-se ao seu trabalho, deixando as tarefas mais difíceis para o horário em que sua energia esteja no auge.

Outro excelente sistema para o relaxamento dos nervos consiste em empregar o mínimo de tensão muscular necessária para o trabalho, obtendo, deste modo, o relax completo de todos os outros músculos.

De modo geral, uma pessoa pode estar preparada para realizar a tarefa que se apresenta no momento oportuno e, no entanto, empregar nela muitos músculos. Ao dirigir um automóvel, levamos ao extremo nossa tensão muscular, ao lavar pratos, utilizamos vários conjuntos musculares, assim como as pessoas de negócios tencionam seus músculos ao extremo. Enfim, cumprimos nossos afazeres diários com músculos tensos e rígidos. É como se o gozo da vida dependesse do grau de tensão muscular que podemos exibir ou desenvolver.

Nas diversas atividades físicas que adotamos durante a jornada diária ativa, criamos tensões musculares desnecessárias. Gastamos energias demasiadamente e, por consequência, chegamos à fadiga que, por sua vez, traz a tensão nervosa.

Se esse gasto de energia, aliás desnecessário, fosse feito sem maior esforço e com mais assertividade, não sentiríamos as consequências com tanta intensidade. Acontece, entretanto, que geralmente o esforço é enorme porque a pessoa já está em estado de completa tensão. Este é o resultado da maneira de viver sob grande pressão. A partir daí, não raro surgem as doenças oportunistas...

No entanto, qualquer pessoa pode relaxar-se dirigindo sua atenção principal sobre os seus músculos ou sobre as suas sensações.

O motorista pode obter o relaxamento dos músculos concentrando sua atenção no sentido de abrandar os músculos sempre tensos do peito; a digitadora pode alcançar o descanso dirigindo sua atenção para um afrouxamento dos músculos da perna; pessoas denegócios podem dirigir a atenção para o relaxamento progressivo da sua mente e assim por diante.

O relaxamento de qualquer grupo muscular requer exercícios bem orientados e cuidadosos. Relaxar-se progressivamente, eis o que deve ser feito, nunca, entretanto, prestando demasiada atenção aos seus músculos que estão sendo submetidos a tal exercício.

O relaxamento não dará resultados, a menos que seja praticado no mínimo uma vez por dia, por uma hora.

A atividade eficiente e vigorosa é resultante da economia de energias.

Logicamente, um maior rendimento e uma melhor qualidade de trabalho se conseguem quando são liberadas suavemente tais energias.

Outro ponto muitíssimo importante é o que se refere ao controle das emoções. Toda emoção consiste num estado físico de desconexão, tanto interno como externo. O medo, em sua fase máxima, chega quase a paralisar e algumas vezes paralisa mesmo o corpo; a preocupação e a inquietação produzem tensão em todo o organismo; o espanto oprime o plexo solar; a raiva, o ódio produz uma contração viciada dos ombros, braços, boca, mandíbulas etc. Toda emoção afeta enormemente a distribuição da energia, dissipando-a e gastando-a.

Uma emoção exige muita energia para iniciar-se e manter-se.

Passar constantemente de uma forte emoção a outra é submeter o corpo a uma tensão extremamente aguda, produzindo-lhe, ao mesmo tempo, enorme desgaste energético. Não é o fluir normal e tranquilo dessa energia que desorganiza o corpo inteiro, mas sua saída tumultuada. Assim, a eficiência paga enorme tributo pelas inúmeras perturbações emocionais de um dia de trabalho.

O organismo, debilitado pela tensão produzida por certas emoções como o ódio, a inveja, a cólera etc., é facilmente acessível a outras emoções como a irritação e a preocupação. Num organismo minado por emoções, qualquer leve apreensão pode converter-se em uma montanha de medo, com todas as suas consequências.

Portanto, é necessário evitar as emoções fortes, único meio ou um dos mais eficazes para se alcançar o relaxamento, já que o objetivo é eliminar grande parte da tensão originada pela dureza da vida moderna e conseguir, assim, conservar a eficiência e o equilíbrio.

Outra forma de obter o relaxamento dos nervos e dos músculos, para armazenar energias, é interromper completamente as atividades do dia durante curtos períodos. Tais intervalos proporcionarão o descanso necessário e desviarão a fadiga, criando uma reserva de energia. Deixar, pois, toda classe de atividades, algumas vezes por dia, equivale ao armazenamento de energias. Tais períodos de descanso podem ser de apenas alguns parcos minutos.

De modo geral, as pessoas acreditam que “na correria” ou sob tensão, realizam grandes obras, vivendo intensamente. No entanto, tal excitação é apenas o reflexo de nervos cansados. Donas de casa, mães laboriosas, diretores de empresas comerciais, todos deveriam aprender a proporcionar a si mesmos curtos períodos de relaxamento durante o dia, se pretendem manter contínua a eficiência do organismo humano.

Criado esse hábito, não precisarão afastar-se do trabalho para procurar alívio para seus nervos. A energia nervosa não deve ser lançada continuamente durante oito, dez ou doze horas. A corrente nervosa tem seus altos e baixos, funcionando com certo ritmo; o organismo inteiro tem seus períodos de elevação e queda de energia, mas violamos essa lei natural. Daí, a fadiga crônica, o sistema nervoso completamente arruinado.

No entanto, bastariam breves períodos de descanso diário para que as coisas se ajustassem. A dificuldade é que as pessoas, mesmo ao interromper as suas atividades diárias por alguns instantes, conforme nosso conselho, conservam tensas as suas atividades musculares e mentais. Exteriormente, aparentam tranquilidade, mas suas mentes continuam sob a tensão dos problemas. Mesmo quando conseguem abandonar essa tensão mental, conservam a tensão físico-muscular.

Para alcançar o repouso total, é preciso que executemos certos exercícios disciplinadores. Em primeiro lugar, o esforço deve ser dirigido no sentido de excluir toda ideia de trabalho e de dificuldade, deixando a mente voltada para as ideias de tranquilidade e repouso.

Um pensamento tranquilo e harmonioso. Todas as diversas prescrições para o repouso – seja ouvir o tic-tac do relógio, contar carneiros, seja pensar sobre a velocidade da respiração, sobre pinturas ou desenhos ou o sibilar do vento - são indicadas como situações para produzir um ritmo sereno, condição necessária para a realização. A própria imaginação, voltada sobre as palavras descanso, proporciona o descanso reparador. Tais pensamentos, entretanto, devem ser mantidos sem qualquer choque contrário, sem discussões, ou seja, por sugestão.

Convém salientar o seguinte: os músculos requerem, por sua vez, uma atenção igualmente especial. Muitas vezes, a tentativa de se conseguir um relaxamento mental se vê frustrada porque os músculos estão tensos. Um relaxamento progressivo deve, neste caso, ser praticado sobre todos os músculos do corpo. Repouso dos músculos e pensamentos reparadores: eis a solução única para o relaxamento total do corpo e para se poupar energias. Um relaxamento é sempre uma obra conjunta da mente e do corpo.

O sorriso é outro meio de relaxamento. Naturalmente, não nos referimos ao sorriso artificial, que assumimos convencionalmente, mas ao sorriso franco, alegre e despreocupado. O sorriso é um tônico eficaz, proporcionando uma sensação de bem-estar e, sobretudo, uma lassidão, um descanso dos nervos. Naturalmente, os melhores resultados são obtidos pela suscetibilidade espontânea do sorrir. Feliz é a pessoa cujo sorriso brota facilmente.

Não é absolutamente necessário que o sorriso se manifeste nos lábios, porém se o estado mental da pessoa é propício a um sorriso fácil, tal pessoa está em ótimas condições para praticar o relaxamento.

O sorriso impede a fadiga do sistema nervoso, mantendo a mente livre de tensão. O bom humor está ao alcance de todos e basta que uma pessoa se habitue a sorrir para livrar-se da tensão mental quase que completamente. O sono é um dos meios empregados pela natureza para a recuperação da energia física. Dormir pouco impede a recuperação dessas energias. Tal problema, entretanto, pode ser solucionado da mesma forma que os outros.

A maior parte das pessoas que dorme perfeitamente o faz mais por hábito. Porém, outra parcela de pessoas que não sabe como fazer para dormir, encontra a solução por meio do estudo da dificuldade propriamente dita, eliminando, assim, a causa.

Os insones, durante o dia, lamentam-se falando aos demais sobre o pouco que dormiram na noite anterior. A tais pessoas, torna-se necessário esclarecer que quem não consegue relaxar durante o dia, também não o consegue durante a noite.

Ninguém que viva em tensão permanente, durante o dia, seria capaz de conseguir um profundo sono nas horas noturnas. O organismo humano não é algo que possa ser forçado durante o dia e apresentar, à noite, um estado diametralmente oposto, como se dispusesse um “controle remoto ao gestor”. O mar agitado necessita de muito tempo para se acalmar. Assim, é fácil compreender que a atividade ininterrupta e tensa do dia se prolongará pela noite adentro.

As pessoas de negócios devem aprender a descansar durante suas atividades cotidianas, a fim de poder descansar depois delas.

Outras pessoas dizem que, ainda que consigam dormir, são tão perturbadas pelos sonhos que o resultado no dia seguinte é exatamente como se não tivessem dormido. Novamente, encontramos o mesmo problema: tudo o que uma pessoa sonha é o reflexo de suas atividades anteriores, é unicamente a continuação da atividade mental do dia.

Um sono reparador só pode ser conseguido quando a pessoa começa por uma revisão da própria forma de vida, a fim de assegurar, à noite, um estado mental controlado e uniformemente equilibrado.

O descanso noturno deve ser preparado quando se está desperto e não como uma “atividade isolada”.

Naturalmente, a incapacidade de dormir emana de uma causa mental ou fisiológica. Tratando-se desta última, nada podemos fazer senão aconselhar à pessoa que procure um médico, sem demora.

Quanto à causa mental que impede o sono, pode ser uma sugestão pouco assertiva, alimentada pela inquietação. Infelizmente, as dificuldades e preocupações nunca permanecem encerradas no escritório, ao serem encerradas as tarefas do dia, mas são levadas para o leito. Não obstante, mesmo quando a pessoa se encontra livre de preocupações, ela cria um estado mental tenso, talvez até projetando o dia que virá, ante o temor de não poder dormir. De forma cíclica, a própria pessoa se faz refém de seus comportamentos.

Tal sugestão começa durante o dia: “acho que não vou conseguir dormir esta noite; sempre tenho dificuldade para conciliar o sono” etc., tamanha é a ideia permanente dos que sofrem de insônia. Muitos ainda encontram, na necessidade de falar aos outros sobre sua insônia, um meio para chamar a atenção sobre si.

A sugestão de que não conseguirá dormir vem ao indivíduo quase sempre quando este se prepara para descansar. Seu primeiro estado é a ideia de que não conseguirá dormir. Tal sentimento traz pensamentos agitados que, por sua vez, produzem condições propícias para afugentar o sono. “Preciso dormir e, no entanto, estou acordado(a), gastando pouco a pouco a energia, quando devia recuperá-la” - é este o pensamento dominador. Na sequência, inconscientemente a respiração se torna tensa e curta. Pronto: todos os elementos para uma noite de insônia estão, infelizmente, à disposição da pessoa.

Sabemos que a condição essencial para se alcançar o sono consiste na interrupção total da atividade física, especialmente a dos músculosexteriores. Quanto mais livres de tensão se acharem os músculos, tanto mais próximo se encontra do sono. Uma cuidadosa observação vem colaborar com tal conceito: é a tranquilidade do corpo que nos conduz ao sono, enquanto que a mobilidade nos desperta. Logicamente, não nos referimos aos movimentos automáticos, tais como as batidas do coração, aos processos metabólicos, secreções glandulares etc., que jamais cessam durante o sono.

Os músculos, entretanto, devem estar em repouso, embora seja impossível que percam totalmente sua tensão, pois mudamos de posição durante o sono, muitas e muitas vezes.

Concluo, portanto, que a mobilidade dos músculos parece formar parte do sono. Entre tais movimentos periódicos, contudo, deve haver um estado de relaxamento muito pronunciado.

A ansiedade de não se chegar ao sono mantém o corpo em um estado de excessivo alerta e os músculos externos adquirem uma tensão muito elevada. A ansiedade ou o temor são emoções que exigem muito movimento. A finalidade essencial de uma emoção é produzir a mobilidade externa do corpo. Não existe emoção que não movimente enormemente o corpo.

Uma pessoa pode alcançar o descanso restaurador mesmo apenas recostada, ainda que permaneça desperta, desde que consiga retirar de sua mente os fatores de perturbação.

É a emoção produzida pela ansiedade ou pelo temor que, com a insônia, prejudica e arruína a saúde. O que geralmente chamamos, ou melhor, queremos significar como insônia, é o estado mental provocado pela ansiedade.

O remédio para a insônia produzido por um estado emocional perturbador consiste, logicamente, em extinguir tal perturbação, o que só se consegue substituindo a sugestão má por uma sugestão sã.

A ideia de que não conseguiremos dormir à noite é apenas a continuação da má sugestão começada durante o dia. A pessoa, prisioneira desta sugestão, não investiga, nem discute, mas aceita tal sugestão como se apresenta, ignorando que com ela vem a emoção de ansiedade que conduz a um estado mental insone.

Assim sendo, uma pessoa, ao manter-se desperta, deve pensar e sentir que, embora não se ache realmente dormindo, vai descansar e recuperar suas forças de acordo com a lei da natureza.

Não se preocupar se há de dormir ou não dormir consiste na melhor maneira de atrair o sono, através da indiferença voluntária.

É necessário algum tempo para se reeducar a mente a fim de que ela domine esse estado de indiferença. Podemos, no entanto, adotar alguns meios para provocar o sono. O primeiro passo é assegurar- se de que o sistema muscular relaxe; cada um dos grupos musculares principais deve ser tratado separadamente, anulando sua tensão. A cabeça deve ser a última a receber tal atenção.

Psicólogos, cientistas, médicos e fisioterapeutas renomados chegaram à conclusão de que pessoas sob tensão suportam maiores dificuldades ao redor da boca e dos olhos. Seus músculos tensos são como relógios despertadores. Relaxar os músculos dos olhos e da boca equivale, portanto, a entregar-se ao sono. Um banho morno, um prato de sopa, uma boa caminhada também favorece o relaxamento geral.

Deve-se, ainda, adotar a atitude de “não se preocupar”. Um estado mental sereno e a ausência de tensões físicas solucionam o problema da insônia, evitando, assim, transtornos de ordem física.

Os empreendedores e os líderes, bem como as pessoas de negócios, devem anotar tais sugestões para maior sucesso nos seus contatos diários, pois precisam apresentar-se ao cliente, seja ele interno ou externo, em perfeitas condições físicas e mentais, transparecendo equilíbrio. A seguir, preparamos um eficaz teste para que descubra como anda a sua proatividade. Como criadores do teste, podemos lhe afirmar que a sinceridade nas respostas lhe garantirá um resultado muito melhor.

Escala de atitude proativa e resiliente

Simulei dez afirmações proativas entre as pessoas e sugiro que responda com muita sinceridade, sem pensar “em certo ou errado”, sendo, portanto, apenas você e a representação de seus comportamentos hoje, refletidos nas respostas.

Baseado em uma escala de 1 (discordo radicalmente) até 10 (concordo plenamente), responda as afirmações abaixo. Quanto mais pontos você fizer, mais proativo você é.


Sejam quais tenham sido as suas respostas, a nossa proposta é que você as responda periodicamente e quanto mais as escalas crescerem, mais você se aproximará do perfil 100% proativo nas atitudes, fundamentais na busca do sucesso e da felicidade.

Agora que testou e tem consciência de seus poderes proativos, queremos complementar esta linha de raciocínio, lhe oferecendo regras que serão imprescindíveis para o crescimento, pois a maior parte dos seres humanos desiste de seus projetos por falta de resiliência.

As 12 regras de ouro para manter a sua resiliência

1.Flexibilidade: A adversidade lhe exigirá que seja flexível, pois, não existindo conflito ou barreiras de espécie alguma, a mente não necessita sonhar e a excelência torna-se dispensável;

2.Excelência: Além de ter e sustentar os mais altos padrões de excelência, lide bem com o fato de que um dia alguém há de superá-lo, pois a nossa evolução depende de que a próxima geração nos supere; só assim aprenderemos duas vezes;

3.Autenticidade: Esta qualidade, aliada ao otimismo, o permitirá defender os valores que considera importantes no trabalho e na vida pessoal. Lembre-se ainda de que os seus olhos transparecem até mesmo o que você não deseja demonstrar, pois são as janelas da alma;

4.Ousadia: Tenha a coragem de correr os riscos necessários e saiba que do erro muitas vezes surgem grandes empreendimentos. Normalmente, quem erra mais, tem maiores possibilidades de acerto e maiores doses de coragem correndo pelas veias;

5.Evolução: Tenha a certeza de que está progredindo com as mudanças, pois elas são a nossa garantia evolutiva. Só não muda quem já morreu!;

6.Qualidade de vida: Cuide de si, mantenha-se saudável, cheio de vida e energia. Sua saúde é a coisa mais importante. Dinheiro sem saúde é fracasso e a queda dela derruba automaticamente sua resiliência;

7.Desafios: Por mais difíceis e complexos que possam parecer, assuma desafios. Não desista se for vítima de algum “roubo de ideias”, é melhor você ser quem pensa e realiza do que quem apenas leva o crédito – o mundo em algum momento aplaudirá os criadores;

8.Prosperidade: Observe que muitos têm dinheiro, mas a prosperidade é para poucos. Sempre que pensar em prosperidade, saiba que ela engloba também: virtudes, caráter, cultura, costumes, etc.;

9.Criatividade: Usemos a inovação para novas descobertas, pois quando achamos que sabemos todas as respostas, vem a vida e muda todas as perguntas. Muitas pessoas são vitimadas pelo insucesso, porque fatalmente deixaram de criar e quem assim o faz, perde a resiliência;

10.Solução: A partir da redução da ansiedade, pense e solucione os problemas mais supostamente embaraçados. Quando você não conseguir fazê-lo, solicite ideias de outros cérebros pensantes e verá o quanto é gostoso pensar conjuntamente;

11.Aprendizado: O ser humano é dotado de uma inesgotável ânsia por saber. Portanto, ouça seus instintos naturais, aprenda, cresça e se aperfeiçoe de todas as formas. Saiba que qualquer pessoa é capaz de ensinar a você algo novo, desde que a respeite como ser único;

12.Realização: Você acaba de se deparar com doze regras de ouro para manter a resiliência firme o bastante para realizar os seus mais nobres sonhos, pois ninguém poderá fazer isso por você.

Existem as pessoas que desistem e as pessoas que persistem. Você chegou até aqui conosco, portanto, não precisamos nem dizer qual destes dois perfis se encaixa a você! Para recapitular as doze regras que manterão a sua resiliência: sejamos flexíveis, excelentes, autênticos, ousados, evoluídos, saudáveis, desafiadores, prósperos, criativos, solucionadores, aprendizes e realizadores.

O sonho é também uma questão de meta e trabalho inteligente, regada a muita ação. A meta é também uma questão de conseguirmos o que desejamos.

Assim, quando nosso sonho se torna realidade, a nossa percepção muda, então entendemos que não há metas verdadeiras sem realidades verdadeiras, o que nos torna construtores de sonhos. - Lembre-se que a vitória não é de quem começa, mas de quem chega a seus objetivos totalmente realizado, e com a certeza de ter feito o seu melhor!

Seja resiliente quando necessário, e pense na possibilidade de assumir limitações temporárias, seja realista e busque prosperidade conjunta dentro de um cenário real chamado vida presente. Agradeça ao que foi capaz de fazer por seu passado e vire sua página. A vida somente avança, jamais retrocede a não ser para procurar um “significado” para o que aconteceu, sendo que na maioria das vezes não há a menor necessidade de dar nome e investir sentimentos retroativos em uma situação imutável e morta. Agradeça o milagre de estar vivo diariamente e adote atitudes de evolução.

É melhor você viver dez anos buscando novas experiências, do que investir este mesmo tempo em busca de velhas dores, abdicando involuntariamente da arte de experimentar crescimento.

Pois:Inspiração vem nos bons exemplos dos outros...

Motivação para nos tornarmos essenciais ao meio, vem de dentro de nós! - Paulo Silveira

Tenha um fabuloso dia hoje e sempre... Pois o mercado é do tamanho de sua capacidade, coragem e imaginação.




O melhor conteúdo do setor metal-mecânico no seu e-mail

Cadastre-se em nossa lista VIP para receber conteúdo, notícias e muito mais sobre o setor metal-mecânico.

Compartilhe