A recuperação está aí

Há uma luz no fim do túnel que demonstra esperança na retomada da economia com níveis elevados de crescimento.

Em nosso País vivemos uma contradição: em 2018, o rumo da economia é cada vez mais claro, na exata medida em que o rumo da política é cada vez mais incerto. Isso não quer dizer que exista um descolamento das duas partes, mas, sim, que elas se encontrarão mais adiante e só aí saberemos se a retomada atual será transformada em sustentada ou se viveremos, mais uma vez, um “voo da galinha”. Costumo dizer “nesse exato momento, a economia descolou da política”.


Voltemos à economia. Notícias que costumávamos ouvir a um pouco mais de dois anos atrás: a inflação oficial de 2015 é de 10,67% ao ano, a maior desde 2002, Copomdecide manter a taxa de Selicestável em 14,25% ao ano e o PIBcai 3,8% em 2015 e tem o pior resultado em 25 anos.


E quais são as manchetes hoje: Os juros caem pela décima primeira vez seguida e vão a 6,75% ao ano, menor nível histórico. Este artigo foi escrito em 20 de março em plena reunião do Copom, quando for publicado com certeza a SELIC será de 6,5% ao ano.


À inflação de fevereiro acumulada nos últimos 12 meses é de 2,84 %, pasmem muito menos que a inflação acumulada na Grã-Bretanha que nos últimos 12 meses encerrados em 31 de janeiro de 2018 é de 2,959% ao ano.Após dois anos de queda, PIB sobe 1% em 2017.


Existem muitas razões para que eu esteja otimista e transmito a seguir algumas considerações:

1) Mercado externo altamente positivopara investimento em países emergentes, vivendo um momento sem precedentes de crescimento disseminado, segundo a OCDE,que revisou suas projeções e o PIB mundial deve crescer 3,9% ao ano em 2018 e 2019, inflação baixa, juros baixos e muita liquidez;

2) Recuperação da economiacom muita capacidade ociosa. A NUCI (Nível de utilização da capacidade instalada) está em 75% o que representa espaço enorme para crescimento sem inflação;

3) Espectro político migrandoda esquerda em direção a políticas liberais. Se despontar um candidato reformista, então ninguém segura o País. Sem considerar que a Bolsa engatou uma alta formidável nos últimos dois anos, com o candidato reformista se consolidando nas pesquisas.

4) Oquartoingredientepoderá consolidar o maior ciclo de valorização de nossa história. Superior inclusive ao grande ciclo anterior, que trouxe ganhos incríveis de+2.051%para quem investiu na Bolsa.

Isso já está acontecendo e qual é o quarto ingrediente da tese?


Partindo de base 100, o gráfico mostra a valorização dopreço das commoditiesao longo dasúltimas décadas. A lógica é simples e pode ser resumida em um provérbio português: Não há bem que sempre dure, nem mal que nunca se acabe”.



O melhor conteúdo do setor metal-mecânico no seu e-mail

Cadastre-se em nossa lista VIP para receber conteúdo, notícias e muito mais sobre o setor metal-mecânico.

Compartilhe