Indústria 4.0: Como o Big Data impacta o chão de fábrica

Quando o assunto é uso de dados, se a Tecnologia da Informação e a Tecnologia Operacional não estiverem alinhadas e integradas, sua empresa não terá destaque, correndo o risco de ficar para trás.

Big Data é um dos termos mais utilizados no mundo corporativo hoje em dia. E não é para menos: a coleta e análise de dados é algo fundamental para uma empresa operar com o máximo de sua capacidade produtiva.

O conceito na prática prevê a utilização de tecnologias que automatizem o processamento de grandes quantidades de informações, sempre com alto desempenho.

Esses dados podem vir de várias fontes: cadastros de clientes, análises de mercado, redes sociais, dados compartilhados por smartphones e até as boas e velhas pesquisas.

Com isso em mãos, uma empresa pode criar processos internos mais eficazes, reduzir custos, repensar estratégias e criar novos produtos e soluções para oferecer a seus clientes, se necessário. Além disso tudo, a big data pode ser uma das maiores aliadas da análise preditiva: ao identificar certos padrões em seus dados, uma companhia pode se antecipar às mudanças de mercado, driblando possíveis crises e tendo uma vantagem estratégica sobre suas concorrentes.

Como o volume de informações é muito grande, e o próprio setor industrial está o tempo todo mudando e evoluindo, é importante que haja uma convergência entre TI (Tecnologia da Informação) e OT (Operational technology ou Tecnologia Operacional em português) dentro das empresas.

Como fazer a convergência entre TI e OT

Este talvez seja o cerne da Indústria 4.0: como a Tecnologia da informação e a Tecnologia Operacional passam a trabalhar juntas, por meio de uma interface que possibilite a integração entre elas.

Antigamente, a OT era controlada de forma local, pelos operadores de máquinas. Eles tinham o conhecimento técnico e algumas ferramentas para extrair dados de maquinários e linhas de produção, mas tudo era muito compartimentalizado: não havia uma nuvem conectada à internet para unificar os dados e permitir uma análise à distância.

A convergência de TI e OT chega justamente para, por meio de sistemas inteligentes, permitir que a OT seja monitorada e controlada pela TI. Algumas empresas já perceberam essa movimentação e começaram a criar estratégias e ferramentas para auxiliar nesse cenário, como é o caso de muitas startups, com as quais já trabalhei e que estão revolucionando o setor de dados industriais.

Tecnologia a serviço da indústria

A grande sacada dessas empresas é levar o conceito de Big Data para o “chão de fábrica” por meio da convergência de tecnologias que expliquei acima. Elas desenvolveram uma plataforma de inteligência artificial exclusiva para o ambiente industrial, que coleta e analisa dados de diversas fontes e permite que gestores e especialistas possam acompanhar, em tempo real, as condições de produção de suas máquinas, linhas de montagem e fábricas.

Utilizando uma combinação de sensores com um software próprio (normalmente plataformas SaaS), podem ser mensurados, por exemplo, índices de temperatura, pressão, umidade, vibração e outros elementos que podem estar comprometendo a produtividade de maquinários e linhas de produção.

Os dados coletados passam pelo Data Pipeline, onde conteúdos não estruturados e desordenados são convertidos em dados contextualizados em tempo real. Este processo otimiza a obtenção de insights que podem ser colocados em prática com agilidade.

E não para por aí: a própria plataforma aplica algoritmos de machine learning e análise avançada de dados para identificar problemas e anormalidades dentro do processo, podendo sugerir ações operacionais estratégicas sob medida para o problema identificado.

Quem se beneficia com essa tecnologia?

Por meio dos dados obtidos, diversos profissionais podem ter mais assertividade em suas funções. O Diretor Industrial, por exemplo, pode acompanhar KPIs e métricas padronizadas para comparar plantas e divisões, o que ajuda a implementar melhores práticas.

Já o Gerente de Planta é capaz de ver, em tempo real, as condições de todas as máquinas do chão de fábrica, podendo resolver problemas, antecipar ações e tomar decisões imediatas melhor embasadas.

O Operador de Máquina, por sua vez, trabalha com mais segurança, pois consegue avaliar em tempo real as condições do equipamento que está operando. Por fim, os gestores e analistas de dados contam com dados limpos e confiáveis para executarem planejamentos e traçarem objetivos estratégicos.

Entendeu agora porque a Big Data e os conceitos tecnológicos da Indústria 4.0 são tão importantes até mesmo no “chão de fábrica”? Se as empresas e gestores olharem de outra forma para essa questão, terão resultados ainda mais positivos.

O que você acha que ainda impede as empresas de fazer essa convergência?

Fonte: StartSE



O melhor conteúdo do setor metal-mecânico no seu e-mail

Cadastre-se em nossa lista VIP para receber conteúdo, notícias e muito mais sobre o setor metal-mecânico.

Compartilhe