Dez tendências da internet das coisas até 2023

Atentar-se para o aspecto evolutivo das tecnologias ao longo dos tempos permite uma previsão do que se espera e possibilita que os planejamentos sejam realizados com foco em futuras inovações.

Com esse intuito o Gartner, empresa especializada em consultorias e pesquisas no ramo da tecnologia, realizou o estudo Top 10 trends in internet of things to 2023 (As 10 principais tendências da internet das coisas para 2023).

Segundo Nick Jones, vice-presidente do Gartner e responsável pelo estudo, a IoT seguirá em ascensão na próxima década e os executivos que dominarem as suas tendências serão destaque na indústria 4.0! Confira quais foram os pontos abordados no estudo do Gartner:

1- Inteligência artificial

O estudo prevê um aumento gigantesco no número de dispositivos conectados à internet, chegando a marca de 14,2 bilhões de dispositivos ainda esse ano e 25 bilhões até 2021. O volume de informações em circulação também crescerá de forma exponencial.

Mais dispositivos estarão conectados à internet e contarão com a inteligência artificial em sua operação. Essa relação será muito importante, pois conforme relatou Nick Jones: “A inteligência artificial será aplicada a uma ampla variedade de informações da IoT, incluindo vídeos, imagens estáticas, fala, atividade de tráfego de rede e dados de sensores”.

O investimento por parte dos fornecedores de TI seguirá crescendo e os gestores devem estar atentos e preparar seus negócios para que possam prosperar com os adventos da transformação digital.

2- IoT social, jurídico e ético

O aspecto jurídico e ético da internet das coisas deverá ser alvo de fortes debates, pois a tecnologia possui um potencial que pode influenciar diretamente na liberdade das pessoas.

Conforme relatou Jones, a implantação plena da tecnologia não é tudo, ela precisa ser socialmente aceita, existe um paradigma ético a ser superado para que sua aplicação seja eficaz.

A cultura já deve ser estabelecida dentro das empresas que proponham para si o modelo de indústria 4.0. Isso permitirá que as mudanças aconteçam de forma menos impactante e no tempo certo.

3- Infonomia e corretagem de dados

Ainda seguindo o conceito ético do item anterior, a infonomia diz respeito ao manuseio dos dados coletados pelos dispositivos de IoT das empresas.

O estudo mostra que 35% dos entrevistados já vendem ou pretendem vender os seus dados para terceiros e que até 2023 esse número tende a aumentar, inclusive será o objetivo de diversos dispositivos.

O debate precisa girar em torno do que é e do que não é ético divulgar, o quão inoportuno é monetizar os hábitos de consumo das pessoas ou o modus operandi das coisas.

4- A computação de borda

A centralização de serviços na nuvem tende a diminuir, pois a computação em borda (edge computing) para a IoT já está em crescimento.

Isso significa mais velocidade na comunicação entre os dispositivos, já que com computação de borda, o dispositivo possui autonomia no processamento de dados e não sobrecarrega o servidor.

As companhias precisam adequar a infraestrutura de TI, tornando-a mais robusta, para a chegada de sistemas mais inteligentes e responsivos.

5- Governança da internet das coisas

Com a crescente utilização da internet das coisas pela indústria 4.0, uma reestruturação da governança de TI se faz necessária.

Toda a segurança dos dispositivos e o manuseio de dados precisará passar por uma rigorosa e detalhada auditoria, a fim de observar as boas práticas de segurança e de respeito a legislação vigente.

As empresas precisam se educar quanto aos conceitos éticos do uso dos dados e até mesmo investir em novas tecnologias que garantam o controle adequado das informações, como a IIoT.

6- Inovação em sensores

Quanto a aplicabilidade da internet das coisas, novos dispositivos irão surgir, monitorando cada vez mais eventos.

As ferramentas já existentes passarão a contar com novas funcionalidades que irão trabalhar em conjunto com as futuras inovações. Dessa maneira, os processos estarão cada vez mais interconectados.

As análises de mercado e de possibilidades de negócios devem ser motivo de atenção das empresas desde o momento atual. Isso irá prepará-las para receber as inovações.

7- Hardware e Softwares confiáveis

O estudo do Gartner verificou que a maior preocupação das empresas é a segurança. E não é para menos, são muitos os casos negativos por conta da falta de um controle adequado da infraestrutura de TI.

Conforme relatou Jones, "Até 2023, esperamos ver a implantação de combinações de hardware e software que, juntas, criem ambientes de IoT mais confiáveis ​​e seguros".

Os cuidados para que hardware e sistema operacional sejam convergentes e seguros devem ser parte do planejamento estratégico das empresas.

8- Novas experiências de usuário em IoT

A UX - User Experience (experiência do usuário) deverá ser cada vez mais estudada para garantir sempre a melhor experiência para os usuários, até porque muitos dispositivos IoT não contam com teclado ou tela .

Quatro fatores irão impulsionar esses estudos: novos sensores, novos algoritmos, novas arquiteturas de experiência e contexto e novas experiências sociais detectáveis.

A preocupação será sempre com a experiência do usuário, saciando a sua expectativa para com a funcionalidade do produto ou serviço.

9- Inovação em chips de silício

Os dispositivos passarão por mudanças em suas arquiteturas e adotarão circuitos focados em processamento rápido de informações com baixo consumo de energia.

Os modelos atuais de Deep Learning (Aprendizagem Profunda) são focados em banda de memória utilizada. Já os futuros circuitos deverão ter um enfoque no poder de processamento de informações e em um gasto menor em energia.

A computação de borda será incorporada a aprendizagem profunda e suportará a adequação de novos dispositivos que poderão funcionar de forma instantânea, como o reconhecimento de fala.

10- Novas tecnologias de rede sem fio para IoT

Para que a rede da IoT esteja em pleno funcionamento, diversas tecnologias trabalham em conjunto. Elas são responsáveis pelo consumo de energia, velocidade, largura densidade e frequência da conexão.

As tecnologias irão focar em redes que suportem a grande troca de informações realizada pelos dispositivos, como o 5G, usando os novos satélites na órbita do planeta os quais deverão ampliar o potencial da IoT.

Preparar-se para o amanhã

A tecnologia sempre irá se renovar e inovações irão surgir. Então se preparar para os desafios do amanhã é o que fará as companhias de hoje prosperarem.

A IoT e IIoT são tecnologias em ascensão e que com certeza farão parte de nossas vidas cada vez mais, trazendo mais controle a tudo o que fazemos.

FonteAssociação Brasileira de Internet Industrial

Receba conteúdos exclusivos da Revista Ferramental em seu e-mail

Cadastre-se em nossa lista VIP para receber contéudo, notícias e
muito mais sobre o ramo metal-mecânico.

Compartilhe