Como aumentar a competitividade do setor ferramenteiro?

Linha IV do programa Rota 2030 busca capacitação técnico-científica e gerencial para elevar a competitividade da cadeia de ferramentaria automotiva. 

Com o intuito de alavancar a indústria automotiva nacional por meio de inovações tecnológicas, o Programa Rota 2030 foi lançado pelo Governo Federal em 2019. 

A iniciativa prevê, entre outras ações de incentivo ao setor automotivo, investimentos em projetos de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) realizados por Institutos de Ciência e Tecnologia (ICT) em parceria com empresas de todo o Brasil. Os recursos do programa têm origem no setor privado. o Governo zerou a alíquota de importação de autopeças sem similaridade nacional e, em troca, as indústrias irão depositar 2% do valor importado no fundo de inovação da ação.

O setor ferramenteiro está em destaque. A Linha IV Ferramentarias Brasileiras Mais Competitivas, coordenada pela Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep), visa solucionar as dificuldades de empresas com baixa produtividade e defasagem tecnológica, capacitando a cadeia de ferramental de produtos automotivos para atingir competitividade em nível mundial. Até o momento, R$ 53 milhões foram captados para investimento na Linha IV.

Para a produção de dois terços dos veículos mais vendidos em 2018 houve a necessidade de investimento em ferramental superior a R$ 10 bilhões. Apesar da forte demanda, aproximadamente 50% de ferramental, em geral, foi importado. Para a pesquisadora do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), Ana Paola Villalva Braga, o usuário não está comprando porque muitas vezes não há assertividade na entrega, o custo é alto e a qualidade nem sempre compensa. “O ferramenteiro precisa saber como melhorar preço, prazo e qualidade para não perder mercado”, destaca.

O Rota 2030 busca mudar este cenário.  O programa foi estruturado a partir de uma convergência de ações para ampliar a competitividade do setor ferramenteiro (conheça os eixos de atuação no infográfico ao lado). Ainda de acordo com a pesquisadora do IPT, que integra a coordenação técnica da Linha IV, os caminhos para tornar a empresa mais eficiente e rentável passam pelo conhecimento técnico e tecnológico, além de outros aspectos como formação, certificação, gestão, liderança, sucessão e gerenciamento de projetos.

Como benefícios, as ferramentarias participantes do programa vão: atuar na construção de um mapeamento da cadeia produtiva do setor; integrar projetos de desenvolvimento tecnológico em parceria com ICTs; envolver-se em processos de certificação para atingir padrões nacionais e internacionais; aumentar a competitividade no mercado mundial; e integrar ações de capacitação e formação técnica e gerencial para alcançar mais qualidade e eficiência.

Conheça mais o programa pelo site www.rota2030.fundep.ufmg.br ou e-mail [email protected]

Pesquisa online com ferramentarias 

Para o sucesso da Linha IV é essencial compreender a realidade das ferramentarias e conhecer melhor os fabricantes, usuários e os fornecedores de serviços para o setor automobilístico. E para traçar um panorama do segmento de ferramentaria no Brasil, o IPT, a Fundep e a Abinfer desenvolveram uma pesquisa on-line para conhecer melhor as empresas e oferecer soluções mais adequadas ao setor.

APELAMOS para que façam o cadastramento de suas empresas e divulguem para o maior número possível de empresas conhecidas, a fim de montarmos a mais bem estruturada base de informações do setor.

O tempo médio para responder o questionário é aproximadamente 20 minutos.

Segue o link da pesquisa: https://lnkd.in/dVYzWiK

Tags
setor ferramenteirocompetitividade Rota 2030tecnologia indústria automotiva
Compartilhe

Thiago Fernandes

Assessor de Comunicação do Programa Rota 2030 na Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep).